Princípios básicos da contabilidade de Custos

Alguns dos princípios básico sobre a contabilidade de custos

Quando falamos de princípios básicos para a contabilidade de custos, devemos sempre lembrar que o valor do estoque dos produtos que existem em uma industria, ou uma empresa que fabrica seu próprio produtos, deve sempre corresponder ao valor total que seria o mesmo do valor de compra dos produtos nem uma empresa comercial.

Dessa forma passamos a considerar e a compor os custos de um produto, os valores que envolvem os fatores de produção do mesmo, e deixando de atribuir os fatores  que já eram considerados  como despesas em uma empresa comercias como: despesas administrativas, despesas de vendas e despesas financeiras.

Essa forma de analise em uma industria, ou empresa que produz seu próprio produto tem sido empregada ao longo dos anos em quase todos os países, e continua em vigor até hoje, com a mesma estrutura pelo fato de duas razões:

Primeira: O crescente desenvolvimento do Mercado  de Capital, fez com que muitas pessoas se tornassem acionistas de grande empresas, o que as deixou interessadas nas análises dos balanços e resultados dessas empresas, bem como a alta complexidade no sistema bancário e distanciamento do banqueiro com relação aos administradores de empresas que necessitam de crédito, fez com que surgisse a figura do Auditor Independente. O Auditor Independente por sua vez, acabava por crias alguns princípios básicos da contabilidade onde ele pudesse ter critérios relevantes para analisar e comparar as demonstrações de empresas diferentes e até mesmo da mesma empresa em datas distintas. Dessa forma o auditor independente ao se deparar com essa nova forma de calcular o valor do estoque substituindo o valor de compra pelo valor de fabricação, acabou por adoa-lá, uma vez que ele seguia e atendia diversos outros princípios mais genéricos da contabilidade.

Segunda: Com a criação do imposto de Renda, que provavelmente teve suas influências dos próprios princípios da contabilidade , foi adotada os mesmos critérios fundamentais para a mensuração do lucro tributável, onde no calculo dos resultados de cada período, o estoque industrializado deveria ser avaliado de acordo com as regras acima mencionadas.

 

 

Da Contabilidade Financeira para Contabilidade de Custos

Como surgiu o conceito da Contabilidade de Custos

A Contabilidade Financeira, ou chamada também de contabilidade Geral (cuidado para não confundir com a Contabilidade

Gerencial), foi desenvolvida na era mercantilista, que vai do século XV até o final do século XVIII. Essa contabilidade
estava muito bem estruturada para servir as empresas comerciais da época. Portanto podemos dizer que até a Revolução
industrial, que aconteceu no século XVIII, quase só existia a contabilidade Financeira.

Nesta época, quando se pretendia fazer uma apuração dos resultados de cada um dos períodos, ou até mesmo o levantamento do
balanço em seu final, bastava que o contador fizesse o levantamento do estoque em termos físicos, um vez que achar a sua
medida em termos monetários era extremamente simples. Consistia basicamente em verificar o montante pago por item
estocado e dessa forma colocar um valor as mercadorias. Essa conta era sempre representada na clássica forma de:

Estoque inicial:
(+) Compras
(-) Estoque Final
(=) Custo das Mercadorias Vendidas

Fazendo a relação entre esse montante com as receitas líquidas que foram obtidas com as vendas desses bens, encontrava-
se o lucro bruto. Desse lucro bruto bastava deduzir todas as despesas necessárias para a manutenção da entidade durante
esse período, bem como as despesas relacionadas com a venda dos bens e com ao financiamento de suas atividades. Dessa forma
surgiu a também clássica Demonstração de Resultados da empresa comercial (DRE).

Vendas Líquidas
(-) Custos das mercadorias vendidas
Estoque Inicial
(+) Compras
(-) Estoque Final
(=) Lucro Bruto
(-) Despesas
Comercial (vendas
Administrativas
Financeiras
Resultado Antes do Imposto de Renda

Pelo fato das empresas dessa época viverem basicamente do comércio, e não de fabricação, era muito fácil de se encontrar
os valores de compra dos bens que existiam, bastando apensa consultar os documentos de aquisição.
Conforme as empresas comerciais foram dando lugar as indústrias, foi ficando cada vez mais complicado fazer o levantamento
do balanço e a apuração de resultados, pois o valor de “compra” estava agora substituído por um série de valores pagos na
produção utilizada na indústria.

Para resolver esse “problema” foi feita uma adaptação utilizando os mesmo critérios abordados em uma empresa comercial
para os cálculos em uma empresa industrial, onde apenas os valores gastos com a compra de bens permaneciam ativados
perante ao balanço final, e nenhum outro valor relativo a encargos financeiro ou juros, salários de administradores ou
proprietários, ou até mesmo o salário e comissão dos vendedores era ativado. Pelo contrario, todos esses gastos eram
automaticamente apropriados como despesas do período, independente de ter sido vendido o bem ou não.

E dessa forma começaram as adaptações seguindo a mesma linha de raciocínio e com a formação de alguns critérios de
avaliação de estoque para o setor industrial.

Introdução

Uma breve introdução ao conteúdo de Contabilidade de Custos

Olá pessoal, sejam muito bem vindo ao blog Administração Financeira. O objetivo desse blog é passar de maneira pratica, simples e fácil, todos os conceitos que estão presentes dentro do tema de contabilidade de custos. Começando da parte mais básica como conceitos e princípios e chegando até os procedimentos mais avançados sobre o tema, tudo muito bem explicado e com exemplos para facilitar ainda mais o entendimento do leitor. De início, como forma de fazer uma introdução,  iremos falar um pouco sobre a diferença entre as contabilidades.

Muitas vezes nos vemos em duvida quando lemos ou somos abordados quanto as expressões: Contabilidade Financeira, Contabilidade de Custos e Contabilidade Gerencial. Será que ela são expressões sinônimas? Ou elas representam disciplinas diferentes? Ou ainda, será que elas são algum tipo de enfoque diferente dado à contabilidade?

Como forma prática, simples e rápida de responder essa e outras duvidas, faremos uma ligeira análise histórica que nos apresentará cronologicamente o aparecimento de cada uma das expressões e a razão de seu uso, tornando assim o conceito em questão muito mais claro e fácil de entender. Aproveitaremos também esse retrospecto histórico para fazer uma introdução onde vamos conhecer e saber o porquê de muitos dos princípios utilizados na contabilidade de Custos.

Aproveitem os próximos posts para aprofundar seu conhecimento sobre o mundo da Contabilidade de Custos.

Powered by WordPress | Designed by: WordPress Themes | Thanks to best wordpress themes, Find WordPress Themes and Themes Directory